Author: Luke Sholl
About the author
A picture of Luke Sholl
Com mais de uma década de experiência escrevendo sobre CBD e canabinoides, Luke é um jornalista consagrado e escritor-chefe para a Cibdol e outras publicações sobre canabinoides. Comprometido com os fatos, sua fascinação pelo CBD também engloba fitness, nutrição e prevenção de doenças.
Read more.

O que é o Zinco e o que Faz Pelo Corpo?

O que é o Zinco e o que Faz Pelo Corpo?

Embora o zinco desempenhe um papel crucial em muitas funções corporais, o corpo não produz naturalmente este nutriente essencial, tornando uma dieta variada ou uma suplementação necessárias para o bem-estar mental e físico. Continue a ler para ficar a conhecer as funções e benefícios do zinco.

O que é o zinco?

O zinco é um das dezenas de micronutrientes essenciais que o corpo utiliza para apoiar funções como a resistência às doenças, imunidade, cicatrização e saúde sexual.[1] No entanto, dado que o corpo não produz naturalmente o zinco, comer uma dieta saudável ou tomar suplementos é crucial para manter os níveis recarregados.

Infelizmente, os níveis baixos de zinco podem impactar significativamente o bem-estar, tornando a ingestão regular ainda mais importante. Iremos cobrir as fontes alimentares naturais de zinco em breve, contudo, entretanto, analisemos mais de perto as funções que este micronutriente essencial desempenha no bem-estar.

O que é que o zinco faz pelo corpo

O zinco é um micronutriente versátil, com os níveis suficientes a contribuírem para o seguinte:

• Um sistema imunitário funcional
• Pele saudável
• Redução do stresse oxidativo
• Melhora a saúde sexual
• Encurta a duração dos sintomas de constipação e de gripe
• Abranda a degradação celular

Como pode ver pela lista supra, o papel do zinco no corpo humano é amplo e variado. No entanto, é importante ressalvar que a ingestão equilibrada é crucial. Apesar da sua influência positiva, a ingestão de demasiado zinco pode provocar tantos problemas quantos os que resolve.

Quais são os benefícios da toma de zinco?

Agora que temos uma ideia geral de como o zinco consegue apoiar diferentes funções corporais, mergulhemos mais detalhadamente nos benefícios para o bem-estar propostos pela investigação em torno do zinco.

Zinco e o sistema imunitário

Uma análise abrangente do "Sistema imunitário e do impacto do zinco durante o envelhecimento" destaca algumas considerações cruciais para os que não estão certos quanto à suplementação.[2] O relatório observa que a deficiência de zinco não só afeta "múltiplos aspetos da imunidade inata e adaptativa", mas que a suplementação oral de zinco tem o potencial para influenciar a inflamação crónica.

Este impacto proposto é mais notável nos idosos, mas é um caso convincente para pessoas de todas as idades. Os investigadores também indicaram que uma dieta variada ou que uma suplementação moderada de zinco "poderá ter benefícios substanciais" com poucos efeitos adversos.

Zinco e a cicatrização

Outra área de influência do zinco é a pele; em particular, este ajuda a apoiar a reparação da pele e a prevenção de infeções. Em 2018, investigadores dos EUA destacaram o papel proposto do zinco, incluindo a reparação da membrana celular e a proliferação celular.[3] Embora a investigação cubra todas as interações do zinco, há duas descobertas, em particular, que se destacam.

A primeira é que a deficiência de zinco foi "associada ao atraso na cicatrização", e a segunda é que "foram reportados níveis séricos de zinco baixos em pacientes criticamente doentes". Ambas estas descobertas sugerem que os baixos níveis de zinco contribuem significativamente para uma redução das capacidades naturais de cura do corpo. Os investigadores esperam que as evidências recolhidas poderão ser utilizadas para apoiarem "futuras gestões clínicas da cicatrização".

Zinco e as perturbações digestivas

A maioria das investigações que analisámos até aqui examinam a influência do zinco em adultos ou nos idosos. No entanto, a suplementação de zinco poderá ser benéfica nas crianças, com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a UNICEF a recomendarem até 20 mg de zinco para a diarreia grave.[4] Particularmente, a suplementação de zinco "administrada por 10 a 14 dias diminui a incidência de diarreia nos dois ou três meses subsequentes".

Crê-se que o impacto do zinco na gravidade da diarreia deriva da sua influência na "absorção da água e dos eletrólitos" em conjunto com a sua modulação da resposta imunitária do nosso corpo para "a melhor eliminação dos patógenos".

No entanto, os investigadores observaram que, em alguns casos, a redução na diarreia foi acompanhada por um potencial aumento nos vómitos, e que era necessária mais investigação sobre a dose mais baixa e mais eficaz.[5]

O que acontece se não ingerir zinco em quantidades suficientes?

Tal como já deve ter reparado pela investigação supra, a deficiência de zinco representa um risco grave para a saúde em todos os grupos etários. Sem este micronutriente essencial, muitas funções corporais essenciais simplesmente não funcionarão conforme pretendido. Mas como é que sabe que tem uma deficiência?

Os sintomas da deficiência de zinco incluem:

• Perda de apetite
• Perda de cabelo
• Impotência
• Função imunitária prejudicada
• Atraso no crescimento
• Cicatrização demorada

A dificuldade é que os sintomas da deficiência de zinco não são exclusivos dessa condição, e podem dever-se a vários outros problemas de saúde subjacentes. Caso suspeite que tem uma deficiência de zinco, é importante consultar um médico para que este possa descartar outras doenças.

Mencionámos anteriormente que uma abordagem equilibrada à ingestão de zinco é crucial. Isto deve-se ao facto do excesso de zinco ser tão prejudicial quanto demasiado pouco. Embora não seja comum ocorrer uma overdose de zinco, esta pode levar a dor estomacal, vómitos, náuseas, diarreia e enxaquecas.

Fontes alimentares de zinco

Embora a suplementação de zinco seja recomendada em determinados grupos de risco (pessoas com doenças gastrointestinais e vegetarianos), a maioria de nós obtém todo o zinco de que precisa a partir da nossa dieta. Isto, como é óbvio, desde que inclua uma seleção dos alimentos destacados abaixo:

• Carne de vaca
• Porco
• Cereais de pequeno-almoço fortificados
• Galinha
• Cajus
• Aveia

Quanto zinco deve tomar?

Felizmente, o corpo não precisa de quantidades excessivas de zinco para manter o funcionamento saudável. De facto, a recomendação diária é de cerca de 11 mg para homens adultos e de 8 mg para mulheres adultas.

As seguinte são as doses recomendadas baseadas na idade, segundo as diretrizes do Instituto Nacional de Saúde:

• A dose diária recomendada (RDA) para crianças com menos de oito anos de idade é de 2 a 5 mg. Esta aumenta para crianças entre os 9 e 18 anos de idade (8 a 11 mg), enquanto os adultos com mais de dezanove anos também devem apontar para sensivelmente 8 a 11 mg de zinco diariamente.

Lembre-se, estas recomendações são meramente indicativas, e pode obter todo o zinco que o seu corpo precisa da sua dieta habitual. Caso não o consiga, é aí que os suplementos podem ajudar a levar os níveis de zinco para um intervalo adequado. Considerando a importância do zinco na resistência às doenças, cicatrização e digestão, um ligeiro aumento no seu consumo diário poderá fazer maravilhas para o bem-estar mental e físico.

Está interessado em acrescentar o zinco à sua rotina diária? Visite a loja Cibdol para encontrar uma gama de suplementos de saúde naturais. Além disso, para aprender mais sobre o papel das vitaminas e dos minerais no bem-estar, visite a Enciclopédia CBD para ficar por dentro de tudo o que precisa saber.

Fontes

[1] Office of dietary supplements - zinco. NIH Office of Dietary Supplements. https://ods.od.nih.gov/factsheets/Zinc-HealthProfessional/. Publicado em 2021. [Fonte]

[2] Haase H, Rink L. O sistema imunitário e o impacto do zinco durante o envelhecimento. Immunity & ageing: I & A. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2702361/. Publicado a 12 de junho de 2009. [Fonte]

[3] Lin P-H, Sermersheim M, Li H, Lee PHU, Steinberg SM, Ma J. O zinco na modulação da cicatrização. Nutrients. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5793244/. Publicado a 24 de dezembro de 2017. [Fonte]

[4] Bajait C, Thawani V. Papel do zinco na diarreia pediátrica. Indian journal of pharmacology. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3113371/. Publicado em maio de 2011. [Fonte]

[5] Dhingra U, Al. E, Author Affiliations From the Center for Public Health Kinetics, et al. Zinco em dose mais baixa para a diarreia infantil - um estudo aleatório com múltiplos centros: Nejm. New England Journal of Medicine. https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1915905. Publicado a 28 de abril de 1970. [Fonte]

De que produto eu preciso?
As Seen On: