O que é o CBC (Canabicromeno)?

CBC (Canabicromeno)

Embora a maioria não esteja familiarizada com este canabinoide, o CBC está bem longe de ser insignificante. Continue a ler para usufruir de um resumo completo sobre o canabicromeno e para descobrir qual o papel que este desempenha nos tratamentos à base de canabinóides.

O que é o CBC?

O canabicromeno pertence a uma família de compostos orgânicos conhecida como canabinoides. Localizado no interior do cânhamo e em variedades de marijuana, o CBC é sintetizado após o CBCA ser exposto ao calor e à luz. Ainda assim, este difere da maioria dos canabinoides porque tem uma baixa afinidade para os recetores CB. Ao invés, o CBC liga-se aos recetores TRPV envolvidos na deteção de alterações de temperatura, entre outras sensações, a nível celular.

Resumo

Embora o CBC possa apresentar benefícios isoladamente, a maioria dos estudos examinou os efeitos do CBC juntamente com outros canabinoides como o CBD e o THC. O canabicromeno demonstra excelente sinergia com outros canabinoides mas, apesar de ser um dos principais compostos dentro da estrutura biológica da Cannabis sativa, este ainda só é produzido em pequenas quantidades.

• O CBC aparenta ser não-psicotrópico
• É um dos três principais canabinoides sintetizados a partir do CBGA
• Pode apoiar no tratamento do cancro, da dor e da inflamação
• Desempenha um papel crucial na otimização do "efeito entourage"
• Demonstra uma fraca afinidade pelos recetores CB1 e CB2 associados ao SE
• Ativa os recetores TRPV1 e TRPA1 localizados na membrana das células

Efeitos secundários

De momento, é demasiado cedo para determinar se o CBC produz quaisquer efeitos secundários dignos de menção. Tal como outros canabinoides não-psicotrópicos, este aparenta ser bem tolerado, mas isto é uma mera conjetura.

Investigação de apoio

Conforme aludimos, a maioria dos estudos envolvendo o CBC também apresentam outros canabinoides proeminentes. A investigação independente relativa ao CBC é limitada, sendo que atualmente só estão a decorrer estudos com animais e in-vitro.

Em 2006, o Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics publicou um estudo que examinava os efeitos dos canabinoides em células cancerígenas in-vitro. Embora tivessem concluído que o canabidiol (CBD) era o inibidor mais potente do crescimento das células cancerígenas, este foi seguido muito perto pelo CBG e pelo CBC. Os investigadores concluíram que os seus "dados apoiavam futuros testes do canabidiol e de extratos ricos em canabidiol para o potencial tratamento do cancro”.

O Department of Experimental Medicine em Nápoles, Itália, testou os efeitos do CBD e do CBC nos sistemas nocicetivos dos ratos. A dor nocicetiva é uma sensação familiar associada a fraturas, queimaduras ou hematomas.

Os resultados demonstraram que o CBD e o CBC provocaram "analgesia interagindo com várias proteínas alvo”. Embora o estudo tenha concluído que ambos os compostos possam ser agentes terapêuticos úteis, múltiplos mecanismos de ação ainda precisam de ser explorados.

Um estudo de 2010 da Universidade do Mississípi avaliou os efeitos do THC, CBD, CBC, CBG e CBN num modelo animal de depressão. Utilizando uma variedade de doses, os investigadores concluíram que os "canabinoides exercem ações antidepressivas”, embora para o CBC os efeitos tenham sido dependentes da dose.

Embora o CBD seja favorecido pela sua redução da inflamação e proliferação celular associada ao acne, um estudo de 2016 destacou que o CBC pode ter um efeito similar. O canabinoide "reduziu significativamente o ácido araquidónico (AA)- lipogénese induzida ‘tipo acne’”. Os resultados sugeriram que o CBC, CBDV e o THCV “demonstram ser promissores para se tornarem agentes altamente eficientes e novos contra o acne”.

O efeito do CBC noutros canabinoides foi exibido num estudo de 2011 publicado na Drug and Alcohol Dependence. O canabinoide não só pareceu mediar os efeitos psicotrópicos do THC, como a administração dependente da dose de ambos os canabinoides in-vitro “levou a ações tétrade e ações anti-inflamatórias”. O ponto mais significativo da diferença com o CBC foi que os seus efeitos anti-inflamatórios não foram um resultado da ligação com os recetores CB1 ou CB2. Continua por avaliar como é que este mecanismo de ação poderá traduzir-se efetivamente em ensaios com humanos.

Estatuto legal

Como o CBC é considerado não-psicotrópico, o canabinoide não está registado na Convenção Única sobre Estupefacientes. Assim sendo, não há quaisquer restrições definitivas sobre este canabinoide e o mesmo não é considerado uma substância ilícita.

De que produto eu preciso?