Quando Foram Descobertos os Canabinoides?

Quando Foram Descobertos os Canabinoides?

A descoberta dos canabinoides revelou lentamente que a planta canábis é uma fonte de potencial. A sua identificação precede inclusive a da descoberta do sistema endocanabinoide (SE) e, na realidade, foi crucial para auxiliar os investigadores a descobrirem esta rede fisiológica.

Os investigadores identificaram mais de 100 canabinoides únicos. Algumas destas moléculas mudaram o panorama da ciência em torno da canábis, enquanto outras permanecem relativamente enigmáticas e intocáveis. Em baixo, iremos ver quando foram descobertos os canabinoides mais familiares, e quem merece o crédito por estas descobertas inovadoras.

Os pioneiros na investigação dos canabinoides

Antes dos canabinoides individuais terem sido isolados e identificados, um grupo pioneiro de cientistas percursores dispôs as bases fundamentais para a concretização destas descobertas. Os investigadores começaram a obter extratos de canábis em bruto no início do século XIX, os quais evoluiriam rapidamente para a captura de moléculas específicas.

Em 1840, um investigador chamado Schlesinger obteve alegadamente o primeiro extrato ativo das flores e folhas das plantas de cânhamo. Pouco depois, outra mente experimental chamada Decourtive conduziu um extrato de etanol de materiais similares em 1848. Evaporou o álcool e descobriu uma resina escura no seu lugar, tendo batizado esta substância de "canabina”.

Outros investigadores decidiram encarregarem-se por sua conta e risco de testar os efeitos desta substância. Mais tarde no século XIX, os cientistas prepararam uma extração de álcool e adicionaram uma solução de lima para remover a clorofila. De seguida, filtraram e trataram a mistura com ácido sulfúrico, seguido pela evaporação. Os investigadores testaram a resina restante e descobriram que tinha um pH neutro. Após experimentarem "dois terços de um grão" da substância, estes descreveram os seus "efeitos narcóticos poderosos”.

Os cientistas estavam perto de descobrir um novo composto, mas ainda não conseguiam identificar com precisão o que estava a gerar estes efeitos. Muitos argumentavam que a canábis tinha alcaloides, com Preobrajensky a reivindicar que a planta tinha nicotina.

Na busca pelos alcaloides, Klein e os seus colegas isolaram as canabiminas A, B, C e D. Pouco depois, os investigadores isolaram os alcaloides canabisativina, das raízes de um cultivar local mexicano, e a anidrocanabisativina, das raízes e folhas de outra estirpe selvagem mexicana.

Embora estas substâncias aparentassem gerar alguns efeitos nos ratos, ficou claro que havia outros compostos responsáveis pelos efeitos únicos da planta canábis. Pouco depois, os cientistas tropeçariam numa família química única que sustentava estas propriedades: os canabinoides.

Quando Foram Descobertos os Canabinoides?

• CBN (1899)

O CBN, ou canabinol, foi o primeiro canabinoide a ser isolado da planta canábis. Thomas Wood, W.T. Spivey e Thomas Easterfield fizeram esta descoberta inovadora em 1899. Eles obtiveram a molécula de uma amostra de charas, uma forma enrolada à mão de resina de canábis. Após criarem um extrato de etanol da amostra, passaram-na pela destilação fracional e produziram um óleo viscoso.

Descreveram o resultado deste processo como "de cor âmbar quando visto em camadas, mas vermelho-rubi quando visto em massa”. Descobriram que a substância possui efeitos psicoativos em doses a partir de 0,05 g. Após conduzirem a acetilação, descobriram o CBN.

No entanto, as plantas de canábis não criam o CBN através de processos enzimáticos. Ao invés, o canabinoide resulta da degradação do THC. Assim sendo, a equipa de investigação poderia estar a trabalhar com amostras antigas de extratos nos quais o THC tinha sido decomposto.

• CBD (1942)

O químico americano Roger Adams isolou o CBD (canabidiol) da canábis pela primeira vez em 1942. Ele extraiu o agora mundialmente conhecido canabinoide das flores de cânhamo selvagem do Minnesota. Adams realizou uma extração de etanol para criar um "óleo vermelho". Depois passou a substância pela destilação sob pressão diminuída e isolou o canabidiol da mistura de constituintes.

Décadas mais tarde, em 1963, os investigadores fizeram outra descoberta importante relativamente ao CBD — a estrutura molecular do canabinoide. Raphael Mechoulam, químico orgânico e professor na Universidade Hebraica de Jerusalém, realizou esta descoberta importante.

• CBG (1964)

O CBG (canabigerol) deriva do ácido canabinoide CBGA, que desempenha um papel integral na biossíntese canabinoide. Muitos canabinoides que derivam das reações enzimáticas iniciam a vida como CBGA, tornando-a de certa forma uma percursora principal. Várias enzimas atuam nestes canabinoides e convertem-nos noutros membros da família canabinoide. Por exemplo, a síntese do CBDA converte o CBGA em CBDA, que depois se descarboxila em CBD quando aquecido.

Raphael Mechoulam e Yechiel Gaoni uniram forças em 1963 para trabalharem na investigação da canábis nos quatro anos seguintes. Este par resultaria numa série de descobertas pioneiras no mundo da ciência da canábis. Em 1964, o par começou a investigar as vias da biossíntese canabinoide na planta. Rapidamente resolveram o problema de um elo em falta: de onde vinham todos estes canabinoides? Identificaram o CBGA como a ponte entre outros químicos que se transformavam em canabinoides.

• THC (1964)

O THC produz a maioria dos efeitos psicoativos associados à canábis. Esta molécula controversa fixa-se ao recetor CB1 do sistema endocanabinoide para surtir estes efeitos. Pouco depois de terem descoberto o CBG, Mechoulam e Gaoni desvendaram o código e identificaram e isolaram o THC (delta-9-tetraidrocanabinol).

O par sintetizou o THC pela primeira vez em 1965 e depois novamente em 1967. Apesar do seu êxito enorme, Mechoulam atribui as suas descobertas à ciência da canábis conduzida no início do século. Embora tenham isolado oficialmente o THC durante o ano de 1964, houve outros cientistas que dispuseram as bases para esta descoberta.

Tanto Roger Adams como Alex Todd conseguiram sintetizar moléculas extremamente aproximadas, em termos de estrutura, do THC nos anos 40 do século XX. Estes investigadores nunca conseguiram isolar o canabinoide, mas utilizaram canabinoides como o CBD para criar moléculas similares. Mechoulam afirma que muito provavelmente estariam limitados pela literatura e técnicas disponíveis na altura.

• CBC (1966)

O CBC (canabicromeno) compõe cerca de 0,3% do extrato da planta canábis. No entanto, os produtores desenvolveram cultivares que expressam quantidades significativamente maiores. Sendo um canabinoide não-psicoativo, os investigadores exploraram as ações farmacológicas do CBC, descobrindo algum potencial intrigante.

Curiosamente, duas equipas diferentes identificaram o CBC no mesmo ano, utilizando dois métodos diferentes. Mechoulam e Gaoni isolaram e identificaram a estrutura do CBC em 1966. Partindo de um extrato de hexano, os dois investigadores realizaram um teste cromatográfico e identificaram o CBD, THC, CBN, CBG e CBC. O canabicromeno compunha cerca de 1,5% do extrato.

Eles pegaram nas frações que continham o CBC e recromatografaram-nas duas vezes antes da destilação. Utilizando este processo, isolaram o CBD e procederam com a identificação da estrutura molecular do canabinoide. Os relatórios também declaram que uma equipa de investigadores alemães — Claussen, Von Spulak e Korte — conseguiu isolar o CBC no mesmo ano, utilizando percolação de benzeno do cânhamo.

Canabinoides: a ponta do icebergue

As cinco moléculas supra compõem a maioria dos canabinoides presentes nas plantas de canábis. Os cientistas examinaram estes químicos relativamente em profundidade. No entanto, um conjunto de mais de 100 canabinoides e ácidos canabinoides continuam à espera de serem totalmente elucidados por parte dos investigadores. As próximas décadas verão certamente grandes avanços no ramo da ciência da canábis.

De que produto eu preciso?
As Seen On: