O que são endocanabinoides?
O que são endocanabinoides?

Os endocanabinoides são moléculas sinalizadoras criadas pelo corpo que trabalham para modelar o sistema endocanabinoide (SE). "Endo", derivado da palavra grega antiga "ἔνδον" (éndon), significa "dentro", e "canabinoide" refere-se às moléculas capazes de se conectarem aos recetores canabinoides.

Os canabinoides podem ser encontrados em outros lugares da natureza. Os fitocanabinoides, como o THC e CBD, aparecem na canábis e em outras ervas. Como eles partilham uma estrutura molecular similar aos nossos próprios endocanabinoides, conseguem conetar-se a e/ou influenciar os recetores canabinoides.

Os investigadores identificaram dois endocanabinoides principais até ao momento:

• Anandamida (AEA)
• 2-aracdonoilglicerol (2-AG)

Através da sua ação nos recetores canabinoides, ambas as moléculas influenciam fatores como o humor, sono, apetite, memória e aprendizagem. Porém, cada endocanabinoide estimula o SE de forma variada.

Os estudos mostraram que a AEA é um agonista de baixa eficácia de ambos os recetores CB1 e CB2. Isto significa que a molécula apenas produz uma resposta parcial no local destes recetores. Em contraste, os estudos mostraram que o 2-AG é um agonista completo dos recetores CB1 e CB2. O endocanabinoide conecta-se a ambos os locais com alta eficácia e aumenta a ativação de recetores.

Tanto a AEA como a 2-AG são mensageiros sinalizadores retrógrados. Ao contrário da maioria das formas de transmissão do sistema nervoso, que viajam de um neurónio pré-sináptico para um pós-sináptico, os endocanabinoides fazem o oposto.

Sintetizados em neurónios pós-sinápticos, os endocanabinoides são libertados na fenda sináptica e conectam-se aos seus locais-alvo no neurónio pré-sináptico. Isto faz com que eles produzam efeitos inibindo a libertação de outros neurotransmissores.

Este mecanismo de ação "revertido" sustenta os efeitos homeostáticos dos endocanabinoides - a sua habilidade de ajudar o corpo a manter um equilíbrio fisiológico. Se a célula pós-sináptica deteta uma flutuação que afasta da homeostase - sob a forma de uma concentração excessiva de um determinado neurotransmissor - os endocanabinoides podem ser usados para inibir o disparo excessivo e forçar a homeostase.

Ambos os canabinoides atuam em locais fora do SE. Por exemplo, a AEA também se conecta aos recetores TRPV1 - locais envolvidos na dor e inflamação. 

A 2-AG tem um papel importante no cérebro, fígado e pulmões. Aí, ela oferece uma fonte grande de ácido araquidónico, usado na síntese da prostaglandina. Estas substâncias possuem um papel importante na inflamação, pressão sanguínea e coagulação sanguínea.

O que são endocanabinoides?

Como são produzidos os endocanabinoides?

A síntese dos endocanabinoides ocorre - sob demanda - nas membranas dos neurónios pós-sinápticos. Isso faz com que se destaquem de outros neurotransmissores, como a serotonina, que permanece nas vesículas sinápticas até serem requeridas.

Tanto a AEA como a 2-AG derivam de moléculas à base de gordura. A AEA deriva do precursor N-araquidonoil-fosfatidilcolina etanol, conhecido simplesmente por NAPE, enquanto a 2-AG vem dos fosfolipídios contendo 2 araquidonoil (PIP).

Após conectarem-se a locais recetores compatíveis, ambos os endocanabinoides são rapidamente decompostos por enzimas específicas. A enzima ácido gordo hidrólase amino (FAAH) cataboliza a AEA. Porém, a enzima que induz inflamação COX-2 pode também degradar a AEA através da oxidação.

A função da 2-AG termina com três enzimas diferentes: MGL, hidrólases de domínio α/β e COX-2.

Conclusão

Os endocanabinoides têm uma função vital no SE e no corpo humano como um todo. A sua habilidade de atravessar a fenda sináptica permite-lhes controlar a libertação de neurotransmissores e manter a homeostase. Estas moléculas estão intimamente envolvidas em muitos processos fisiológicos importantes, desde o apetite até ao humor e o sono. Os estudos continuam a elucidar sobre os seus papeis extensivos na fisiologia humana.

De que produto eu preciso?