Published:

Updated:

Author: Luke Sholl

O que são os fitocanabinoides?

O que são os fitocanabinoides?

A planta da canábis produz centenas de constituintes químicos — desde canabinoides e terpenos até flavonoides e lípidos. Entre estes, os fitocanabinoides [phyto = grego (φυτό) para "planta"] são os mais singulares. Não são todos exclusivos da planta canábis, mas a espécie contém algumas das concentrações mais elevadas destes compostos.

Como estas moléculas são produzidas em plantas — e não no corpo humano ou num laboratório — são mencionadas como fitocanabinoides, doravante mencionados simplesmente como canabinoides. Os humanos utilizam os canabinoides há centenas de anos para vários fins — espiritual, terapêutico e recreativo.

Uma utilização tão prolongada e consistente reflete o quão valiosas estas moléculas são. A ciência moderna examinou e estimulou muitos canabinoides em busca de hipotéticos usos terapêuticos e industriais. Decorridas apenas algumas décadas de estudo, os investigadores identificaram mais de 100 canabinoides apenas na planta da canábis.

Apresentação dos canabinoides e do sistema endocanabinoide

Os estudos em células, animais e humanos descobriram, em parte, como é que estes químicos funcionam no corpo. A identificação do sistema endocanabinoide revela como os canabinoides podem imitar as moléculas reguladoras (endocanabinoides) produzidas nos nossos próprios corpos. Estas descobertas abriram o caminho para compreender como é que estas moléculas produzem os seus efeitos.

Talvez o canabinoide mais conhecido, o THC produz a moca psicoativa associada à marijuana. No entanto, os investigadores também descobriram que este canabinoide singular sustenta a promessa de suavizar as dores físicas[1], perturbações estomacais e fraco apetite[2].

A canábis também oferece muitos canabinoides não-psicoativos. Por exemplo, a investigação descobriu que o CBD produz um amplo conjunto de efeitos positivos no corpo. Devido a isto, o CBD tornou-se um suplemento extremamente popular, utilizado para apoiar a homeostase (equilíbrio interno).

O THC e o CBD são os canabinoides predominantes na maioria dos cultivares modernos. No entanto, há outros canabinoides menos abundantes que também demonstraram efeitos promissores no contexto das investigações efetuadas. O CBG, CBN, CBC, THCV, CBDV, entre outros, exibiram uma ampla gama de efeitos[3].

Os canabinoides também aparecem noutras plantas do reino vegetal. O apelidado "canabinoide dietético”, cariofileno — um terpeno também sintetizado na canábis — pode ser encontrado na pimenta preta, lúpulo, erva-cidreira, cravo-da-Índia e alecrim. O cariofileno é considerado um canabinoide porque interage com o recetor CB2 do sistema endocanabinoide. Os canabinoides que influenciam o outro principal recetor canabinoide, o CB1[4], estão presentes na Salvia divinorum, cenoura, kava, hepáticas neozelandesas e maca-peruana.

O que são os fitocanabinoides?

Como são produzidos os canabinoides?

As plantas produzem canabinoides como metabolitos secundários[5]. Estes não estão diretamente envolvidos no crescimento, desenvolvimento ou reprodução. Ao invés, ajudam as plantas a sobreviver defendendo-as contra espécies de pragas e temperaturas extremas.

As plantas de canábis produzem canabinoides em pequeníssimas glândulas em forma de cogumelo, designadas por tricomas. Estas estruturas translúcidas também produzem outros metabolitos, tais como os aromáticos terpenos. A série de reações químicas que cria os canabinoides é designada como biossíntese do canabinoide[5].

O processo inicia-se quando a coenzima A e os ácidos gordos convergem. Isto dá lugar a uma série de reações químicas que formam eventualmente o CBGA e o CBGVA — dois dos principais precursores canabinoides. As reações enzimáticas convertem estas moléculas em diferentes canabinoides. Por exemplo, a sintase da enzima THCV transforma o CBGVA e CBGA em THCV. Em contraste, a sintase da enzima CBDA converte estas moléculas no CBDA.

Toda esta magia ocorre principalmente em flores de canábis visualmente deslumbrantes e aromaticamente aprazíveis. Eventualmente, os tricomas expelem canabinoides e outros metabolitos sob a forma de uma resina viscosa. Os produtores utilizam depois esta resina para produzirem um vasto conjunto de produtos, desde óleo e outros extratos até cristais e cosméticos.

Resumo sobre os canabinoides

Os canabinoides são metabolitos secundários encontrados na planta da canábis e em algumas outras espécies. Estes funcionam de forma a manter as plantas de canábis saudáveis, e a ciência também revelou o seu potencial terapêutico nos humanos. Até agora, só estudámos aprofundadamente um número reduzido destas moléculas interessantes. A investigação continuará a desenrolar-se para elucidar todo o valor da canábis e doutras plantas que produzem canabinoides.

Author
Luke Sholl

Title/author.

Luke Sholl
Com mais de uma década de experiência escrevendo sobre CBD e canabinoides, Luke é um jornalista consagrado e escritor-chefe para a Cibdol e outras publicações sobre canabinoides. Comprometido com os fatos, sua fascinação pelo CBD também engloba fitness, nutrição e prevenção de doenças.
Luke Sholl

Title/author.

Luke Sholl
Com mais de uma década de experiência escrevendo sobre CBD e canabinoides, Luke é um jornalista consagrado e escritor-chefe para a Cibdol e outras publicações sobre canabinoides. Comprometido com os fatos, sua fascinação pelo CBD também engloba fitness, nutrição e prevenção de doenças.
Fontes

[1] Weber, J., Schley, M., Casutt, M., Gerber, H., Schuepfer, G., Rukwied, R., Schleinzer, W., Ueberall, M., & Konrad, C. (2009). Tetrahydrocannabinol (Delta 9-THC) Treatment in Chronic Central Neuropathic Pain and Fibromyalgia Patients: Results of a Multicenter Survey. Anesthesiology Research and Practice, 2009, 1–9. https://doi.org/10.1155/2009/827290 [Fonte]

[2] Ekert, H., Waters, K. D., Jurk, I. H., Mobilia, J., & Loughnan, P. (1979). AMELIORATION OF CANCER CHEMOTHERAPY‐INDUCED NAUSEA AND VOMITING BY DELTA‐9‐TETRAHYDRO‐CANNABINOL. Medical Journal of Australia, 2(12), 657–659. https://doi.org/10.5694/j.1326-5377.1979.tb127271.x [Fonte]

[3] Russo, E. B., & Marcu, J. (2017). Cannabis Pharmacology: The Usual Suspects and a Few Promising Leads. Cannabinoid Pharmacology, 67–134. https://doi.org/10.1016/bs.apha.2017.03.004 [Fonte]

[4] Russo, E. B. (2016). Beyond Cannabis: Plants and the Endocannabinoid System. Trends in Pharmacological Sciences, 37(7), 594–605. https://doi.org/10.1016/j.tips.2016.04.005 [Fonte]

[5] Flores-Sanchez, I. J., & Verpoorte, R. (2008). Secondary metabolism in cannabis. Phytochemistry Reviews, 7(3), 615–639. https://doi.org/10.1007/s11101-008-9094-4 [Fonte]

De que produto eu preciso?
As Seen On: