About the author
Sources
Fontes

[1] Tetrahidrocanabivarina. Tetrahidrocanabivarina - um resumo | ScienceDirect Topics. https://www.sciencedirect.com/topics/pharmacology-toxicology-and-pharmaceutical-science/tetrahydrocannabivarin. [Fonte]

[2] Englund A;Atakan Z;Kralj A;Tunstall N;Murray R;Morrison P; A. O efeito do doseamento de THCV durante cinco dias no cognitivo induzido com THC, efeitos psicológicos em voluntários masculinos saudáveis: um estudo piloto transversal duplo-cego controlado por placebo. Journal of psychopharmacology (Oxford, England). https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26577065/. Publicado em 2016. [Fonte]

[3] Abioye A, Ayodele O, Marinkovic A, Patidar R, Akinwekomi A, Sanyaolu A. Δ9-Tetrahidrocanabivarina (THCV): um comentário sobre o potencial benefício terapêutico para a gestão da obesidade e dos diabetes - journal of cannabis research. BioMed Central. https://jcannabisresearch.biomedcentral.com/articles/10.1186/s42238-020-0016-7. Publicado a 31 de janeiro de 2020. [Fonte]

[4] Bolognini D, Costa B, Maione S, et al. O canabinoide vegetal delta9-tetrahidrocanabivarina consegue diminuir os sinais de inflamação e a dor inflamatória nos ratos. British journal of pharmacology. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2931567/. Publicado em junho de 2010. [Fonte]

[5] Farrelly AM, Vlachou S, Grintzalis K. Eficácia dos fitocanabinoides no tratamento da epilepsia: novas abordagens e avanços recentes. MDPI. https://www.mdpi.com/1660-4601/18/8/3993/htm. Publicado a 10 de abril de 2021. [Fonte]

Back

O que Precisa Saber Sobre a THCV

A THCV é um das mais de uma centena de canabinoides produzidos pela planta canábis, além disso, os cientistas estão atualmente a sondar a molécula quanto aos seus potenciais efeitos terapêuticos. A investigação ainda está na fase inicial, mas o canabinoide secundário exibiu várias propriedades interessantes. Continue a ler para saber mais.

O que é a THCV?

A THCV — ou tetrahidrocanabivarina — é uma parente próxima do THC, mas ligeiras diferenças na estrutura química significam que tem uma influência única no corpo.[1] De facto, é precisamente esta influência que os investigadores querem explorar, dado que a THCV pode funcionar em conjunto com outros canabinoides para impactar o sistema endocanabinoide. O único problema é que a THCV é muito mais difícil de isolar em grandes quantidades do que alguns dos outros canabinoides, tornando os estudos extensivos difíceis de facilitar.

No entanto, para compreender porque é que a THCV é difícil de alcançar, temos primeiro de dar alguns passos atrás e examinarmos o topo da árvore da família dos canabinoides.

Todos os canabinoides derivam da molécula percursora CBGA; é através de várias reações químicas que este canabinoide torna-se lentamente em mais de uma centena de diferentes compostos. Como é óbvio, nem todos estes canabinoides existem ao mesmo tempo, ou no mesmo rácio, sendo precisamente por isso que é difícil isolar a THCV.

A THCV é produzida durante as primeiras fases do desenvolvimento de uma planta de cânhamo. Um derivado da CBGA (CBGVA) interage com enzimas para transformar-se na CBDVA, CBCVA e THCVA. Após passar pela descarboxilação, a THCVA perde um grupo carboxílico para transformar-se na THCV. Embora isto seja similar à forma como obtemos os principais compostos como o CBD e o THC, há muito menos THCVA disponível para ser convertida em THCV.

Onde é que encontra a THCV?

Conforme destacámos, é um desafio considerável conseguir isolar a THCV. No cânhamo maduro ou nas plantas de canábis, os níveis são naturalmente muito baixos. Alguns cultivares são exclusivamente criados para conterem níveis mais significativos de THCV, mas estes são muito raros. A esperança é que, à medida que os produtores dominam a genética da canábis e do cânhamo, seja possível desenvolver cultivares ricos em THCV acessíveis.

Dito isto, com cânhamo rico em THCV à mão, o processo de extração é similar a isolar e a extrair o CBD. O material em bruto da planta é processado utilizando a sofisticada extração com CO₂ e os vários canabinoides são separados e condensados, permitindo formulações únicas.

Qual é a diferença entre o THC e a THCV?

O THC e a THCV são muito similares ao nível molecular, com apenas uma ligeira diferença na sua cadeia do lado do carbono (o primeiro tem uma cadeia composta por 3 átomos de carbono, enquanto o último tem 5). Pode parecer ligeira, mas a diferença na estrutura química altera o efeito da THCV no corpo.

É importante observar que ambos os canabinoides podem produzir uma sensação estilo moca. No entanto, enquanto o impacto do THC é potente e profundo, a THCV produz uma sensação mais estimulante e menos intoxicante. Contudo, ao contrário do THC, a THCV exerce um efeito consoante a dose, o que significa que tem de consumir significativamente mais THCV para sentir os seus efeitos eufóricos.

Como funciona a THCV?

Agora que já mencionámos sucintamente a mecânica da THCV, faz sentido mergulhar um pouco mais na forma de operar do composto. Conforme indicámos, a interação da THCV com o SEC aparenta ser dependente da dose, o que significa que uma baixa dose exerce um resultado diferente de uma dose alta.

Tanto a THCV como o THC são agonistas dos recetores CB1, aumentando a sua taxa de ativação fruto disso. No entanto, as baixas doses de THCV podem, na realidade, bloquear os recetores CB1 e inibir o efeito psicotrópico do THC. Em contraste, as altas dose aparentam ativar estes locais e produzem um efeito psicotrópico.[2]

A THCV também aparenta almejar os recetores CB2 do sistema endocanabinoide, que estão associados à inflamação e a outras funções do sistema imunitário.

Será que a THCV fará com que teste positivo num teste de despiste de drogas?

Embora os testes de despiste de drogas utilizados no mercado de trabalho não procurem especificamente pela THCV, a sua íntima relação com o THC significa que tem o potencial de espoletar um resultado positivo. Considerando a disponibilidade limitada dos produtos específicos de THCV, é mais do que provável que o consumo da THCV tenha derivado de canábis rica em THC, o que ainda representa problemas legais na maioria dos EUA e dos países da Europa.

Embora os cientistas tentem estabelecer melhores métodos de deteção da THCV e de outros canabinoides, ainda continua a ser melhor evitar produtos relacionados com o THC caso não sejam legais na área onde reside.

Quais são os efeitos da THCV?

A THCV reserva muitos segredos inexplorados. Ainda estamos nos primeiros dias da ciência em torno da canábis e são necessários ensaios com humanos para termos uma melhor imagem dos efeitos da THCV. Por agora, temos de depender da investigação em animais e células como pistas para o potencial da molécula.

THCV e o apetite

O aspeto mais investigado da THCV é a sua potencial ligação com o apetite. Uma avaliação crítica da pesquisa que continha as palavras-chave "THCV", "obesidade", "peso corporal", "metabolismo" e "diabetes" destacou vários possíveis "mecanismos de ação com o SEC".[3]

Num dos modelos animais examinados, os investigadores observaram que a THCV oralmente administrada impactava o peso corporal dos ratos e a ingestão total de comida. Pensa-se que esta interação deriva da afinidade vinculativa da THCV com os recetores no cérebro.

THCV e a inflamação

Os estudos também estão a examinar uma possível interação entre a THCV e a inflamação.[4] Os investigadores já sabem que a THCV consegue bloquear os recetores CB1 (em baixas doses), por conseguinte, eles tentaram ver se e como o canabinoide afeta os recetores CB2.

Ao monitorizarem os níveis de citocinas associadas aos recetores CB2, a avaliação descobriu resultados encorajadores. Como é óbvio, o salto de um modelo animal para o corpo humano é significativo. Embora estes resultados apontem para um potencial mecanismo de ação, ainda é demasiado cedo para dizer como é que a THCV impacta a inflamação e o sistema imunitário em termos gerais.

THCV e a epilepsia

As evidências que examinam a THCV contra a epilepsia ainda estão nas fases pré-clínicas, mas a investigação descobriu alguns potenciais mecanismos de ação interessantes. Mais notavelmente, um estudo de 2021 sugere que os efeitos da THCV não estão apenas dependentes da dose, mas que ativam o SEC em áreas específicas à região.[5] As implicações desta descoberta são significativas e poderão levar a aplicações direcionadas de fórmulas canabinoides específicas.

O relatório também destaca outro motivo principal pelo qual os investigadores estão dispostos a explorar o potencial de compostos como a THCV, o CBDV e CBG — os seus "perfis de efeitos secundários favoráveis". Infelizmente, as evidências pré-clínicas baseiam-se fortemente em modelos in-vitro (fora do corpo humano). São necessários mais estudos clínicos controlados por placebo para juntar todos os elementos potencialmente favoráveis do composto.

Efeitos secundários da THCV

Dado que não sabemos muito sobre os efeitos da THCV nos humanos, o intervalo de efeitos secundários do canabinoide também não é claro. No entanto, a ativação dos recetores CB1 por parte da THCV, em altas doses, significa que poderá partilhar alguns dos potenciais efeitos secundários do THC, tais como ansiedade, paranoia, boca seca, olhos vermelhos, perda de memória de curto prazo, maior frequência cardíaca e tempo de reação abrandado.

A THCV é segura?

É importante destacar que a segurança da THCV permanece sob avaliação. Embora seja geralmente aceite que os efeitos do canabinoide dependem da dose, ainda há o risco de efeitos psicotrópicos, embora com uma extensão mais suave do que o seu homónimo mais chegado, o THC. A THCV aparenta demonstrar um perfil de segurança favorável apesar da sua subtil influência intoxicante, embora devamos enfatizar que o canabinoide ainda não foi extensivamente observado em estudos com humanos.

Quando falamos sobre a segurança, também é prudente discutir a legalidade. A THCV ocupa, de certo modo, uma área cinzenta quando se trata da lei. A molécula não é amplamente reconhecida ou explicitamente proibida, mas tende a ser ilegal por omissão devido às suas ligações com o "extrato de marijuana".

• A Lei sobre Substâncias Psicoativas no Reino Unido bane qualquer substância capaz de produzir um efeito psicoativo, por conseguinte, criminalizando os níveis de THCV acima de um limite específico.

• O governo dos Estados Unidos não classifica especificamente a THVC como uma substância da Agenda I, mas a canábis e os seus derivados são ilegais a nível federal (as leis estatais diferem).

Apesar de ser classificada como um canabinoide secundário, a THCV tem imenso potencial, particularmente quando considerada em conjunto com compostos não intoxicantes como o CBD ou o CBG.

A dificuldade, como é óbvio, não é só navegar pelas complexas restrições legais, mas também isolar o composto em quantidade suficiente para alcançar conclusões precisas. A esperança é que a investigação que apoia a THCV se desenvolva de forma alinhada com o interesse do consumidor.

Navegue pela loja Cibdol hoje mesmo para explorar a influência combinada de canabinoides como o CBD, CBDA, CBG, entre outros. E aprenda mais sobre o potencial dos canabinoides secundários como a THCV visitando a nossa Enciclopédia CBD para encontrar tudo o que precisa saber.

Perguntas Frequentes

A THCV é legal?
A situação legal da THCV é complicada, com as regras a diferirem nos EUA e na Europa. É melhor analisar as restrições locais.
A THCV é segura?
Até agora, a THCV demonstrou um perfil de segurança favorável nos estudos pré-clínicos conduzidos, embora os resultados em estudos com humanos sejam limitados.
A THCV fá-lo ficar mocado?
As altas doses de THCV podem induzir intoxicação, embora seja mais suave do que os efeitos secundários psicotrópicos produzidos pelo THC.
Author
Luke Sholl

Title/author.

Luke Sholl
Com mais de uma década de experiência escrevendo sobre CBD e canabinoides, Luke é um jornalista consagrado e escritor-chefe para a Cibdol e outras publicações sobre canabinoides. Comprometido com os fatos, sua fascinação pelo CBD também engloba fitness, nutrição e prevenção de doenças.
Luke Sholl

Title/author.

Luke Sholl
Com mais de uma década de experiência escrevendo sobre CBD e canabinoides, Luke é um jornalista consagrado e escritor-chefe para a Cibdol e outras publicações sobre canabinoides. Comprometido com os fatos, sua fascinação pelo CBD também engloba fitness, nutrição e prevenção de doenças.
Fontes

[1] Tetrahidrocanabivarina. Tetrahidrocanabivarina - um resumo | ScienceDirect Topics. https://www.sciencedirect.com/topics/pharmacology-toxicology-and-pharmaceutical-science/tetrahydrocannabivarin. [Fonte]

[2] Englund A;Atakan Z;Kralj A;Tunstall N;Murray R;Morrison P; A. O efeito do doseamento de THCV durante cinco dias no cognitivo induzido com THC, efeitos psicológicos em voluntários masculinos saudáveis: um estudo piloto transversal duplo-cego controlado por placebo. Journal of psychopharmacology (Oxford, England). https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26577065/. Publicado em 2016. [Fonte]

[3] Abioye A, Ayodele O, Marinkovic A, Patidar R, Akinwekomi A, Sanyaolu A. Δ9-Tetrahidrocanabivarina (THCV): um comentário sobre o potencial benefício terapêutico para a gestão da obesidade e dos diabetes - journal of cannabis research. BioMed Central. https://jcannabisresearch.biomedcentral.com/articles/10.1186/s42238-020-0016-7. Publicado a 31 de janeiro de 2020. [Fonte]

[4] Bolognini D, Costa B, Maione S, et al. O canabinoide vegetal delta9-tetrahidrocanabivarina consegue diminuir os sinais de inflamação e a dor inflamatória nos ratos. British journal of pharmacology. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2931567/. Publicado em junho de 2010. [Fonte]

[5] Farrelly AM, Vlachou S, Grintzalis K. Eficácia dos fitocanabinoides no tratamento da epilepsia: novas abordagens e avanços recentes. MDPI. https://www.mdpi.com/1660-4601/18/8/3993/htm. Publicado a 10 de abril de 2021. [Fonte]

De que produto eu preciso?
As Seen On: