O CBD Apresenta Benefícios para a PHDA?

Published:

Já alguma vez teve um daqueles dias em que tudo parece ser demasiado difícil? Perde as chaves, depois a carteira. Sente-se mal-humorado e constantemente distraído no trabalho ou na escola. Embora estas sejam experiências comuns entre muitos de nós, para as pessoas com PHDA, elas podem ser uma luta diária.

Será que o CBD pode ajudar com a PHDA? De momento, há muito pouca investigação sobre o tópico. Contudo, alguns estudos analisaram o potencial terapêutico do CBD para determinados sintomas associados com a perturbação. Os resultados são preliminares, mas sugerem caminhos promissores para dar continuidade às investigações. Analisemos os detalhes.

O que é a PHDA?

PHDA significa perturbação de hiperatividade com défice de atenção. O Instituto Nacional de Saúde Mental define-a como uma "perturbação cerebral marcada por um padrão contínuo de desatenção e/ou hiperatividade-impulsividade que interfere com o funcionamento ou desenvolvimento".

Embora as causas exatas da PHDA sejam desconhecidas, ela pode ser influenciada por uma combinação genética e fatores de risco ambientais. A nível estrutural, as pessoas com PHDA podem exibir diferenças basilares em determinadas áreas do cérebro. Vários estudos também sugerem que a **desregulação do neurotransmissor dopamina também exerce uma influência.
**desregulação do neurotransmissor dopamina - http://www.douglas.qc.ca/info/attention-deficit-disorder-causes-treatments

Há três tipos principais de PHDA: tipo desatento, tipo hiperativo e tipo combinação. Embora apresentem algumas ligeiras diferenças, todos os três podem impactar negativamente a qualidade de vida.

Sintomas da PHDA

A PHDA caracteriza-se por múltiplos problemas com o funcionamento executivo. As pessoas com PHDA têm frequentemente dificuldade em concentrar-se e lutam com a regulação emocional.

A PHDA do tipo desatento é, por vezes, mencionada como PDA (perturbação do défice de atenção), dado que a hiperatividade não se encontra presente. Esta variante é mais comum nas mulheres e raparigas. Os sintomas incluem:

- Dificuldade em concentrar-se e facilidade em distrair-se
- Dificuldade em manter-se organizado
- Esquecimento
- Perde frequentemente pertences pessoais
- Má gestão do tempo

A PHDA Hiperativa é mais comum nos rapazes e homens. Os sintomas incluem:

- Inquietação e impaciência
- Mau controlo dos impulsos
- Fala excessivamente e interrompe os outros
- Energia nervosa
- Diminuição do sentimento de perigo

As pessoas com o tipo combinação de PHDA demonstram sintomas tanto do tipo desatenção como do tipo hiperativo.

A PHDA provoca frequentemente problemas com a escola e o trabalho. A perturbação pode retardar os objetivos profissionais e afetar negativamente os relacionamentos pessoais. Isto pode levar a uma fraca autoestima e à depressão. Na realidade, a PHDA ocorre frequentemente em conjugação com outras perturbações. As **comorbidades comuns incluem transtornos de humor, transtornos de ansiedade, perturbações derivadas da utilização de substâncias e incapacidades de aprendizagem. Os efeitos de algumas destas condições podem agravar-se com os sintomas de PHDA, levando a um ciclo vicioso e desmoralizador.
**comorbidades - https://adhd-institute.com/burden-of-adhd/epidemiology/comorbidities/

Diagnóstico e tratamento

A PHDA é frequentemente diagnosticada na infância e os sintomas podem aparecer logo na idade pré-escolar. Ainda assim, muitas pessoas só são diagnosticadas quando adultas. O diagnóstico tardio da PHDA é mais comum no tipo desatento, dado que a falta de hiperatividade pode fazer com que os sintomas sejam menos óbvios.

A PHDA é habitualmente tratada com medicamentos estimulantes, tais como metilfenidato (Ritalin, Concerta) e anfetaminas (Adderall, Dexedrine, Vyvanse). Muitas pessoas com PHDA reportam um efeito calmante paradoxal derivado dos estimulantes. Contudo, o mecanismo exato de tratamento não é óbvio. Dado que reforçam a dopamina, os medicamentos estimulantes podem combater a desregulação dopaminérgica, que se julga estar vinculada à PHDA.

Infelizmente, estes medicamentos desenvolvem potencialmente viciação. Eles também podem apresentar efeitos secundários indesejados. Os pacientes podem experienciar insónia, tensão muscular e ansiedade, para além de outros efeitos secundários raros mas mais sérios, como pressão arterial elevada.

Benefícios do CBD para a PHDA

Embora ainda não tenha sido realizada qualquer estudo primário sobre o CBD e a PHDA, a investigação secundária indica que o CBD pode ser útil no alívio de determinados sintomas associados com a perturbação. Também pode ajudar a aliviar os efeitos secundários da medicação habitual para a PHDA, tal como a insónia.

Lembre-se: deve consultar sempre o seu médico antes de iniciar um novo tratamento ou de combinar o CBD com outros medicamentos.

O papel do sistema endocanabinoide

Muitos adultos com PHDA reportam que se automedicam com canábis. Um estudo relacionado investigou os efeitos resultantes na performance cognitiva e regulação emocional. Os **investigadores descobriram que os adultos com PHDA "podem representar um subgrupo de indivíduos que experienciam uma redução dos sintomas e que não sentem quaisquer deficiências cognitivas após a utilização do canabinoide". Isto indica que as pessoas com PHDA podem responder de forma diferente aos canabinoides.
**investigadores descobriram - https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0924977X17302377

O estudo foi de certa forma inconclusivo e focou-se em toda a planta da canábis ao invés do CBD em específico. Contudo, levanta questões sobre o hipotético relacionamento entre a PHDA e o sistema endocanabinoide (SE). Um segundo estudo, publicado em 2013, também abordou este tópico e **estabeleceu o apoio indireto para uma ligação entre os recetores endocanabinoides e o controlo regulatório associado à PHDA.
**estabeleceu o apoio indireto - https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.3109/10826084.2013.841251

O que o é **o sistema endocanabinoide? O SE é um sistema regulador composto por recetores de células e neurotransmissores conhecidos como endocanabinoides. Encontra-se disseminado por todo o corpo, incluindo o cérebro, e tem demonstrado modular inúmeros processos biológicos. O CBD interage com o SE através de múltiplos mecanismos. Se for estabelecida uma ligação entre o SE e a PHDA, o CBD poderá ser uma área fértil para investigar tratamentos naturais para a perturbação.
**o sistema endocanabinoide - https://www.cibdol.com/blog/443-getting-to-know-the-endocannabinoid-system

A PHDA e a ansiedade

Cerca de 50% dos adultos e 30% das crianças com PHDA **também sofrem de ansiedade. A ansiedade pode exacerbar determinados sintomas da respetiva PHDA, como inquietação e dificuldade de concentração. Os problemas de atenção e impulsividade podem fazer com que a interação social seja desafiadora, levando ao stress e fraca auto-imagem. As pessoas que sofrem tanto de PHDA como de perturbações de ansiedade generalizada ou social podem, desta forma, sentir-se sobrecarregadas — bombardeadas por uma tempestade perfeita de sintomas.
**também sofrem de ansiedade - https://chadd.org/about-adhd/coexisting-conditions/

O CBD pode fornecer algum abrigo dessa tempestade. Um **estudo de 2015 descobriu que os indivíduos com perturbação de ansiedade social (PAS) demonstram um aumento na autoavaliação negativa quando falam em público. Contudo, este aumento foi praticamente eliminado quando foram administrados com o CBD.
**estudo de 2015 - https://www.nature.com/articles/npp20116?foxtrotcallback=true

**Outro estudo descobriu que o CBD é seguro e eficaz no tratamento da ansiedade numa rapariga de 10 anos de idade com stress pós-traumático. Dado que a PHDA se manifesta frequentemente em tenra idade, é notável que este estudo tenha envolvido a administração pediátrica do CBD. Ainda assim, é um dos únicos estudos a fazê-lo. Caso tenha um filho com PHDA, certifique-se de que consulta um profissional médico antes de decidir administrar o CBD.
**Outro estudo - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5101100/

PHDA e sono de má qualidade

Muitas pessoas com PHDA passam por muitas dificuldades para ter uma boa noite de sono. **Um estudo descobriu que 67% dos indivíduos sofriam de alguma forma de insónia. A natureza exata desta ligação é desconhecida, mas há múltiplos fatores que podem contribuir para noites de inquietação.
**Um estudo - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6299464/

Por um lado, a insónia é um efeito comum de muitos medicamentos estimulantes. As pessoas que sofrem de PHDA também podem sentir dificuldade em tranquilizar a mente durante a noite. Dado que as insónias exacerbam os sintomas da PHDA, este poderá levar a um ciclo vicioso.

O CBD demonstra resultados promissores para auxiliar numa boa noite de sono. O mesmo estudo que analisou a ansiedade num jovem paciente PSPT também observou melhorias na qualidade do sono. Isto é apoiado por **investigação adicional que estabelece uma ligação entre o CBD, a ansiedade e o sono.
**investigação adicional - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6326553/

De certa forma paradoxalmente, o CBD também pode **combater a insónia excessiva durante o dia. Isto pode torná-lo uma opção interessante para pessoas com PHDA que sofram de perturbações do sono e fadiga durante o dia.
**combater a insónia excessiva - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16844117

PHDA, impulsividade e perturbação derivada da utilização de substâncias

Muitos adultos com PHDA são mais suscetíveis a perturbações derivadas da utilização de substâncias. Isto pode fazer com que os prestadores de cuidados de saúde fiquem relutantes em prescrever medicamentos estimulantes que acarretam um risco de viciação. A perturbação derivada da utilização de substâncias é uma **condição cronicamente recidivante. Ela caracteriza-se pela "suscetibilidade ao stress, ansiedade elevada e controlo deficiente dos impulsos". Notavelmente, estes sintomas partilham similaridades com determinados tipos de PHDA. Ambas as condições também foram associadas à dopamina.
**condição cronicamente recidivante - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6098033/

Os **estudos demonstraram que o CBD "modula fortemente" o sistema mesolímbico da dopamina. O CBD também demonstrou resultados promissores como um **tratamento da dependência, reduzindo o comportamento de procura pela droga e impulsividade nos modelos animais. Embora a ligação com a PHDA ainda tenha de ser concretamente estabelecida, isto pode representar uma área interessante para futuras indagações científicas.
**estudos - https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0149763416307102
**tratamento da dependência - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3405830/

CBD e PHDA: caminhos para investigação futura

A PHDA é uma perturbação complicada que ainda não foi integralmente compreendida. Os investigadores estudaram uma variedade de potenciais causas genéticas e ambientais, mas foram realizadas muito poucas determinações. A dopamina aparenta desempenhar um papel, mas os seus mecanismos exatos de influência não são claros e há, provavelmente, outros fatores em ação.

Parte do problema é que a PHDA apresenta um conjunto de sintomas tão diverso e frequentemente variável, muitos dos quais emitam outras perturbações. Isto torna-se ainda mais complicado pelo facto de a PHDA ocorrer frequentemente em conjunto com a depressão, ansiedade, perturbação derivada da utilização de substâncias e outras condições que se sobrepõem em termos de apresentação.

Entretanto, o CBD cresce em popularidade como um potencial tratamento para um amplo e abrangente conjunto de doenças. Embora a investigação que corrobore o seu potencial terapêutico seja amplamente preliminar, ela não deixa de ser promissora. A diversidade de efeitos do CBD deve-se provavelmente à sua interação com o sistema endocanabinoide, o qual aparenta desempenhar um papel regulador em muitas das diversas funções biológicas.

O CBD e a PHDA aparentam partilhar assim um nível de complexidade quando se trata dos seus mecanismos de ação. Crucialmente, os possíveis benefícios do CBD parecem sobrepor-se a muitos dos sintomas da PHDA (e das suas condições de comorbidade).

Embora nenhum estudo se tenha focado no CBD como um tratamento para a PHDA, ambos são alvo de uma crescente investigação científica. Podemos, certamente, ver novas descobertas a emergir no futuro. Se estiver a lidar com ansiedade, insónia, impulsividade e outros sintomas frustrantes associados à PHDA, fale com o seu médico sobre a possibilidade de **experimentar o óleo de CBD.
**experimentar o óleo de CBD - https://www.cibdol.com/cbd-oil

Registe-se e aproveite 10% de desconto na sua primeira compra

De que produto eu preciso?